Economia

Goiás registra saldo positivo de empregos acima da média nacional

O número de empregos formais em Goiás ficou acima da média nacional em todos os comparativos divulgados pelo Cadastro Geral...

Goiás cria 76.416 vagas de empregos com carteira assinada nos primeiros seis meses de 2022

O número de empregos formais em Goiás ficou acima da média nacional em todos os comparativos divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado pelo Ministério do Trabalho e Previdência nesta quinta-feira (28/07). Os dados revelam que o crescimento de empregos formais em junho girou em 0,90% aqui no Estado, enquanto que, no Brasil, o índice é de 0,67%.

No acumulado do ano, o cenário também é de destaque com registro de +5,83% em solo goiano, comparados aos +3,28% da média nacional. Já ao se considerar os últimos 12 meses, a média do acumulado nacional foi de +6,67%, ao passo que Goiás alcançou +8,51%.

Os setores que impulsionaram admissões de trabalhadores foram serviços, comércio, indústria em geral e construção. Nos primeiros seis meses de 2022, as novas oportunidades de empregos somaram 76.416 novas vagas formais, e um saldo positivo de 12.358 novos empregos com carteira assinada no mês de junho.

O saldo nos seis primeiros meses é resultado de 462.130 admissões contra 385.714 desligamentos. Os setores de serviços e comércio foram os que mais apresentaram oportunidades com, respectivamente, 30.412 admissões e 18.595 oportunidades, seguidos pela indústria com 13.052 carteiras assinadas. Em seguida aparecem construção (8.285) e agropecuária (6.896).

“Acumulamos um saldo positivo durante todo esse período do ano”, destaca Joel de Sant’Anna Braga Filho, titular da Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Serviços (SIC).

Nacional
Em todo o País, foram criados 277.944 empregos formais (com carteira assinada) no mês de junho, resultado de 1.898.876 de contratações e 1.620.932 desligamentos. Conforme o governo federal, todos os setores tiveram saldo positivo no mês. A área de serviços foi a que mais abriu postos, com 124.534 novos contratos.

Depois aparecem comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas com 47.176 novas vagas; indústria geral com 41.517 postos de trabalho; agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura com 34.460 novos empregos e, por último, construção, que registrou 30.257 novas vagas.

Na média nacional, os salários iniciais pagos a quem foi admitido em um novo trabalho no mês de maio foi de R$ 1.922,77. Comparado a abril, houve acréscimo real de R$ 12,99 no salário médio de admissão, com variação de 0,68%.

Já no acumulado do ano, foi registrado saldo de 1.334.791 empregos, decorrente de 11.633.347 admissões e de 10.298.556 desligamentos (com ajustes até junho de 2022).