Emprego

Enquanto no país o cenário é de retração, Goiás apresenta crescimento na geração de empregos

Os indicadores econômicos de Goiás seguem mostrando bons resultados. Depois de a indústria apresentar recuperação em junho, agora é a...

Os indicadores econômicos de Goiás seguem mostrando bons resultados. Depois de a indústria apresentar recuperação em junho, agora é a vez do setor de empregos revelar números positivos. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregos e Desempregados (Caged), divulgados nesta terça-feira (28/07) pelo Ministério da Economia, o Estado apresentou saldo positivo de 4.334 empregos formais com Carteira de Trabalho assinada, uma variação de 0,36%. Considerando o índice nacional, a situação do emprego no Brasil é de retração de -0,03%.

O saldo é a diferença entre trabalhadores admitidos e desligados. Em Goiás, foram 34.850 pessoas contratadas, enquanto outras 30.516 saíram de seus empregos. Já tendo em foco o cenário total, segundo o Caged, o emprego celetista no Brasil apresentou retração em junho de 2020, registrando saldo negativo de -10.984 postos de trabalho, o que dá a variação negativa de -0,03%.

Após o anúncio, o governador Ronaldo Caiado destacou a força e a união dos goianos no enfrentamento à pandemia da Covid-19 e de seus efeitos. “Estamos vencendo, um a um, os desafios impostos pela pandemia de coronavírus. Por isso, criamos a Secretaria da Retomada, que vai atuar na recuperação econômica e social de nosso Estado. Nós vamos recuperar empregos, gerar renda, trabalho e impulsionar a economia”, apontou.

Ranking
Os resultados locais colocam Goiás no sétimo lugar no saldo dos empregos nos Estados brasileiros. Considerando a grave crise sanitária provocada pela Covid-19 com a necessidade de isolamento social da população e fechamento/paralisação de grande parte das atividades comerciais e industriais no Estado, o primeiro semestre (janeiro a junho) em Goiás ainda apresenta saldo negativo de -4.464. Nos meses de janeiro, fevereiro e junho os saldos foram positivos em 7.970, 11.607 e 4.334, respectivamente. Mas nos meses de março, abril e maio, apresentaram resultados negativos de -1.839, -21.093 e -5.443, respectivamente.

Ainda de acordo com o Caged, o saldo no setor da agropecuária foi positivo em 1.933. Setores de comércio e construção civil também tiveram saldos positivos de 309 e 1.753 empregos, respectivamente. Indústria também fechou no azul, com saldo de 2.440, e o setor de serviços foi o único com resultado negativo -2.101.

Em números absolutos, a Região Centro-Oeste foi a que apresentou o melhor saldo: 10.010, seguida pela Região Norte com saldo positivo de 6.547 e Região Sul com 1.699. As Nordeste e Sudeste tiveram desempenho negativos, com -1.341 e -28.521, respectivamente.

O secretário de Indústria, Comércio e Serviços, Adonídio Neto, diz que esse resultado é muito importante para a recuperação da economia de Goiás. Ele acredita que o Estado será, com certeza, o primeiro a sair da crise econômica provocada pela Covid-19. “O trabalho do governo goiano está no caminho certo. E os resultados aparecem. Nossa indústria foi a única no País e a registrar crescimento em junho e agora o saldo de empregos do Caged é positivo. Isso nos motiva a seguir perseguindo resultados ainda mais importantes para fortalecer nossa economia”, disse Adonídio