Economia

Empresa peruana vai investir R$ 900 milhões em exploração mineral no norte goiano

O governador Ronaldo Caiado participou, nesta quinta-feira, 28, do lançamento da pedra fundamental para a construção de uma planta de...

O governador Ronaldo Caiado participou, nesta quinta-feira, 28, do lançamento da pedra fundamental para a construção de uma planta de exploração mineral em Mara Rosa, na região Norte do Estado. A mina de ouro, denominada Posse, pertence ao grupo peruano Hochschild Mining e receberá investimentos da ordem de R$ 900 milhões só para a implantação do empreendimento.

“Vocês terão total parceria do Governo de Goiás para gerar desenvolvimento e qualidade de vida para a região Norte de Goiás”, afirmou Ronaldo Caiado. Segundo ele, a meta da gestão é que o Estado se torne referência em mineração, com destaques para Mara Rosa, Alto Horizonte, Minaçu e outros municípios.

Em Mara Rosa, a previsão é de que sejam gerados 1.350 empregos na fase de construção do projeto e outros 810 para a operação da mina. O compromisso da mineradora é de utilizar 75% de mão de obra local, tanto na implantação do empreendimento como depois, em sua operação. Até o momento, o investimento feito é na exploração mineral (geologia).

O diretor-executivo da Hoschscild, Ignacio Bustamante, explicou que a mineradora vai contar com empresas e trabalhadores de Mara Rosa e região, oferecendo capacitação a todos que queiram participar do projeto. “Queremos deixar um legado para a cidade e outras partes de Goiás e do Brasil”.

Para o prefeito de Mara Rosa, Flávio Moura, há uma grande expectativa de que a chegada da mineradora assegure benefícios para a população. “Goiás está se desenvolvendo e crescendo em meio a tantas dificuldades, estamos vendo as coisas acontecerem”, disse o chefe do Executivo municipal sobre a gestão de Caiado frente ao Estado.

A mina do grupo peruano foi adquirida recentemente da mineradora Amarillo Gold. O início da produção comercial está programado para o primeiro trimestre de 2024. A previsão é de produzir 102 mil onças (pouco mais de três toneladas) de ouro nos quatro primeiros anos de operação e 80 mil nos anos seguintes. A vida útil da mina, que vai trabalhar com tecnologia que dispensa represa de rejeitos minerais, é estimada em dez anos.

Ao final do lançamento da pedra fundamental, a empresa já recebeu a licença de instalação, concedida pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad). “Aquilo que em outros Estados demora seis anos, a Hoschschild já recebe neste momento para começar a obra ainda hoje”, comemorou Caiado.

A secretária Andréa Vulcanis (Semad) destacou a segurança do projeto em relação às questões ambientais. “É assim que trabalhamos: de forma técnica, assegurando todos os direitos da natureza e os direitos das pessoas, que são o elemento central de toda essa discussão”.

Benefícios
A escolha da empresa peruana pela mina de Mara Rosa está relacionada às características do empreendimento e do município. A região tem boa infraestrutura, incluindo acesso à mina, rodovias, serviços e mão de obra. Por meio do sistema dry stacking, de empilhamento a seco, o empreendimento contará com um modelo de operação que utiliza menos recursos, recuperando 85% da água dos rejeitos, que retorna ao processo de beneficiamento em um circuito fechado.

O secretário de Indústria e Comércio (SIC), Joel Sant’Anna Braga, explicou que, além de receber novas empresas da área, o Governo de Goiás desenvolve o Plano Goiano de Mineração, que já conta com R$ 700 mil em recursos federais da Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco). “Goiás tem várias minas a serem exploradas e o governo estadual pode oferecer segurança para as empresas, qualificação de mão de obra e toda a infraestrutura necessária”, disse o secretário.

Também participaram do lançamento em Mara Rosa, o presidente do conselho de Administração da Hoschschild Mining, Eduardo Hoschschild; o country manager da mineradora, Edson Del Moro; o embaixador do Peru no Brasil, Rômulo Acúrio; o senador Luiz do Carmo; os deputados estaduais Talles Barreto e Cairo Salim; o secretário de Estado de Desenvolvimento e Inovação (Sedi) Márcio Pereira; os prefeitos de Alto Horizonte, Luiz Borges da Cruz; de Amaralina, Dásio Marques; de Campinorte, Cleomar Contador; de Campinaçu, Doutor Douglas e de Estrela do Norte, Edmar de Assis.