Cidades

Governo de Goiás investe R$ 130 milhões na aquisição de 951 laboratórios para escolas

Para ampliar as possibilidades do uso pedagógico da tecnologia, o Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado da...

Para ampliar as possibilidades do uso pedagógico da tecnologia, o Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), investiu R$ 130 milhões na aquisição de 951 laboratórios móveis de Informática. Cada escola recebe um laboratório, composto por 44 chromebooks, sendo 36 para uso dos alunos e oito para os professores. Os equipamentos começaram a ser entregues durante o mês de julho e a previsão é de que até o final deste mês, as unidades escolares contempladas já tenham os laboratórios à disposição.

A aquisição e distribuição dos laboratórios móveis de Informática é uma iniciativa inovadora do Governo de Goiás que busca, com essa ação, tornar o processo de ensino-aprendizagem mais interativo, dinâmico e colaborativo. Os laboratórios ficam à disposição dos professores de diferentes disciplinas, que podem transportá-los com facilidade para qualquer ambiente dentro da escola, ampliando o alcance e a aplicação dos recursos tecnológicos.

Essa praticidade no transporte dos chromebooks é uma das principais vantagens dos laboratórios móveis. Mas existem outras, como a facilidade na recarga dos equipamentos, sendo necessário somente conectar os carrinhos (caixa de armazenamento e transporte dos computadores) a uma tomada de energia elétrica. Os chromebooks também possuem conexão rápida de internet e, por meio do acesso à rede wifi, é possível utilizar todos os aparelhos ao mesmo tempo.

Tecnologia
O superintendente de Tecnologia da Seduc Goiás, Bruno Correia, explica que o laboratório móvel leva a experiência digital para todos os espaços das unidades escolares, com maior segurança e conforto. “Em síntese, busca democratizar o conhecimento nas áreas de tecnologias da rede pública de ensino, proporcionando aos alunos e professores ferramentas indispensáveis para o desenvolvimento nas áreas de Ciências e suas tecnologias”, destaca.

O superintendente explica que o período de aulas não presenciais, implementadas por conta da pandemia de Covid-19, mostrou a necessidade de aumentar investimentos em inovações tecnológicas para uso pedagógico. “Os desafios lançados pelo ensino remoto deixaram claro a importância das novas tecnologias em sala de aula”, acrescentou ele.