Cidades

Mulheres mostram espírito empreendedor nos programas sociais ligados às atividades agropecuárias em Goiás

Elas querem uma vida melhor para si mesmas e para suas famílias. O Governo de Goiás oferece ferramentas e oportunidades....

Elas querem uma vida melhor para si mesmas e para suas famílias. O Governo de Goiás oferece ferramentas e oportunidades. Por meio do Gabinete de Políticas Sociais (GPS), da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e de outros parceiros, o Estado desenvolve ações que valorizam a capacidade e a força das mulheres. Exemplos disso são o Goiás Social e o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), em que a participação feminina chega a 80% e 58%, respectivamente, e também o Programa de Cerveja de Mandioca, com histórias de transformação pelo empreendedorismo.

A presidente de honra da Organização das Voluntárias de Goiás (OVG) e coordenadora do GPS, primeira-dama Gracinha Caiado, destaca o papel da mulher na economia do Estado e avalia a participação feminina em programas sociais do Governo de Goiás que garantem a inclusão social por meio da profissionalização e empreendedorismo, como é o caso do Crédito Social. “Todos que passam pelos cursos de capacitação podem ter acesso ao recurso que chega a ser de até R$ 5 mil para começar seu próprio negócio. Contando desde a criação do programa, 80% dos beneficiários são mulheres”, lembra a primeira-dama.

Para o secretário estadual de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tiago Mendonça, a força da mulher sempre se fez presente no campo e esta participação só tende a crescer, inclusive em posições de liderança. “É impressionante a vontade de empreender, crescer e melhorar de vida que elas demonstram nos cursos e nas outras atividades relacionadas aos programas”, diz. “O avanço do agro em todos os níveis, da agricultura familiar ao agronegócio exportador, vai passar cada vez mais pela participação e pela liderança femininas”, complementa.

Mais mulheres
Lançado em 2021, o Goiás Social leva benefícios para famílias em situação de vulnerabilidade no Estado. A iniciativa é coordenada pelo GPS e engloba ações em áreas variadas, da educação ao saneamento. Na agropecuária, a parceria com a Seapa, a Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater), a Agência de Fomento de Goiás (GoiásFomento) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar Goiás) proporciona capacitação e crédito para instalação de pequenos negócios. Dos 968 beneficiários dos cursos já realizados de avicultura, piscicultura e olericultura, 775 são mulheres.

Uma delas é Vania Santos de Morais Silva, 39 anos, de Americano do Brasil. Vania mora com o marido, atualmente desempregado, e uma das filhas, de 7 anos. Cuida também de uma neta, de 6. Ela fez os cursos de beleza e avicultura oferecidos no município pelo Goiás Social e já atendeu os primeiros clientes. “Fez muita diferença na minha vida. Os instrutores foram maravilhosos e, além de fazer os cursos, a gente ganhou o material básico para trabalhar. Fizemos o galinheiro, compramos as aves. Não tínhamos a mínima condição de comprar estas coisas para entrar no mercado. Foi abençoado”, lembra.

Na frente
Em Flores de Goiás, a agricultora Eliane Ferreira Alves de Jesus, de 45 anos, diverte-se ao contar que o marido é quem “pega no pesado” para manter a horta em dia e participar do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). “A força é com ele, porque eu não dou conta de tudo também não”, diz, entre risos. “Ele diz que sou esperta, mas quem toma a frente, conversa, calcula, reclama, apela é a mulher”. Eliane ficou sabendo do edital do PAA por meio da Emater e ‘correu atrás’ da documentação para participar do programa. Ela também colocou a mão na terra. Participou do plantio, da colheita, preparou adubos e defensivos naturais.

Junto com o marido e com uma amiga, conseguiu fornecer limão, jiló, cebolinha, coentro e mandioca ao programa. Conforme o regulamento do PAA, realizado em 2021 com recursos federais, ela foi remunerada pelas entregas e os alimentos foram repassados a famílias carentes. “Quando a gente começa sem nada, dá um desânimo. Mas depois que a gente bota a mão no dinheiro é outra história”, diz. Animada, a agricultora planeja aumentar e diversificar a produção. “Vi que eles pegam muita fruta, então preciso plantar fruta. Já estou com as mudas preparadas. Quero plantar batata, inhame, cará, chuchu. Vou plantar chuchu nem que seja no balde”, promete.

Sonho em família
O exemplo da mãe inspira outra Eliane, que também mora em Flores de Goiás: Eliane de Oliveira Moura, 35 anos, participa do Programa de Cerveja de Mandioca, iniciativa do Governo de Goiás que reúne GPS, Seapa, Emater e Secretaria da Retomada, em parceria com as empresas Ambev e Colombina. “Minha mãe é apaixonada por roça, está com idade avançada, já não tem a força que tinha antes, então a gente vai para terra plantar, colher e vender, para não deixar que morra o sonho dela”, relata a agricultora. O pai também “garra no serviço” e, se a tarefa é grande, tios e primos dão aquela força.

Junta, a família já contabiliza 20 toneladas de mandioca fornecidas às indústrias para produção de cervejas. A mãe de Eliane, Marli Pereira de Oliveira Moura, de 57 anos, já tem projeto de aumentar a produção com financiamento bancário.

“Participar do Programa da Cerveja de Mandioca foi muito gratificante e motivador. Diante da falta de recursos financeiros que vivemos durante essa pandemia, e de outros obstáculos, o programa nos ajudou de forma muito significativa e nos fez ver que podemos, sim, produzir e ter um resultado financeiro diferenciado. Temos somente que agradecer”, testemunha Eliane.